Má conservação do veículo pode trazer graves consequências

por | out 24, 2018 | Direção Defensiva | 0 Comentários

conservação do veículo

Não é só porque o veículo, aparentemente, não apresenta problemas que ele está preparado para pegar as ruas. Antes disso, a manutenção preventiva se faz necessária.

Pesquisas apontam que em mais de 70% dos veículos que circulam pelas cidades brasileiras, itens essenciais, como pneus e freios, estão em condições ruins ou abaixo do ideal. O que é um grande problema. Afinal, a má conservação do veículo, além da questão segurança, pode pesar – e muito – no bolso do motorista.

Devido a importância do tema, é sobre esse assunto que vamos abordar no decorrer deste artigo. Continue com a gente!

Quais os riscos que a má conservação do veículo apresenta?

De acordo com o que citamos anteriormente é grande o número de veículos que apresenta algum defeito. Mesmo assim, estão circulando livremente por aí. Não é a toa que que a falta de manutenção esteja relacionada a 30% dos acidentes urbanos e rodoviários no Brasil.

Pneus carecas, lanternas queimadas, a falta de seta, motores desregulados são alguns destes problemas e compõem uma enorme lista.

O problema é que mesmo que o problema apresentado possa ser encarado como um simples “defeitinho”, ele pode trazer graves consequências. Sobretudo, porque ninguém está livre de enfrentar alguma adversidade, seja ela de tempo, da via ou do trânsito em geral.

Defeitos tornam-se ainda mais graves com a pista molhada

Em dias chuvosos a atenção ao trânsito deve ser redobrada. Afinal, esse é um fator que pode prejudicar a nossa direção. Tornando com isso, maiores as chances de um acidente acontecer.

Um pneu careca e um limpador de para-brisas com defeito, por exemplo, se tornam ainda mais perigosos em dias de chuva. A chance de derrapar neste caso é muito grande e é agravada pelo fato do limpador danificado prejudicar a visão do motorista.

Como resultado desse mau estado de conservação, o motorista não apenas coloca em risco a sua vida, como a de todos na via.

Para além da segurança, a má conservação tem grandes impactos no bolso

Manter o veículo em bom estado de conservação beneficia não só a segurança no trânsito, como também, pode evitar que defeitos arruínem o orçamento do proprietário.

Afinal, a manutenção preventiva pesa muito menos no bolso do que a reparação posterior do dano. Segundo especialistas, em média, essa diferença pode chegar a 30%. Sem contar na economia de combustível, que em veículos bem conservados, é de 4%.

É o que acontece quando o motorista não dá atenção para o nível de água do veículo. Sem água e fluído, a junta do cabeçote pode queimar. E, se mesmo assim o motorista continuar rodando o motor pode fundir. Neste caso, o reparo do dano para que o carro possa voltar a rodar pode sair nada menos que R$ 4 mil.

Além disso, conduzir o veículo em mau estado de conservação, comprometendo a segurança, é uma infração de trânsito prevista no Código de Trânsito. A infração é considerada grave, pode render multa e a retenção do veículo para regularização.

Caminhos para prevenir acidentes e economizar

Para prevenir acidentes e evitar rombos no orçamento é preciso ter consciência da importância de manter o bom estado de conservação do veículo.

Para isso é preciso levar a manutenção preventiva a sério, fazendo-a a cada 10 mil quilômetros rodados ou 6 meses.

Nesta tarefa, além do nível de água e óleo, freios, amortecedores, lampadas e palhetas é importante averiguar a parte elétrica e o funcionamento do cinto de segurança.

Afinal, os riscos existem, mas podem ser evitados com medidas simples e a utilização correta dos equipamentos de segurança do veículo.

E lembre-se: a prevenção é a melhor forma de evitar acidentes. Basta para isso, checar o estado de conservação do veículo, dirigir com cautela, respeito e atenção!

Se tiver alguma dúvida, entre em contato com nosso time especialistas.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *