Idosos na direção: até que idade podemos dirigir?

por | jul 11, 2018 | Dicas, Legislação | 5 Comentários

Idosos na direção

Idosos na direção de automóveis devem ficar atentos às condições físicas e emocionais para manter o hábito com segurança.

Quando o assunto é a participação dos idosos no trânsito muitas pessoas se perguntam se há uma idade limite para a concessão de dirigir.

Afinal, com o avanço da idade nosso organismo pode apresentar algumas fragilidades e é importante ficarmos atentos a estes sintomas para não comprometer a segurança nas vias.

Sabendo dessas questões, será que existe uma idade limítrofe para a interrupção dessa atividade?

É isso o que veremos a seguir.

Se você ficou curioso sobre o assunto e quer saber mais sobre a relação dos idosos com a direção, saiba que esse artigo foi feito pra você!

Envelhecimento não significa aposentadoria de guiar o carro

Bem, voltando a nossa questão inicial, seremos bem diretos em responder. De acordo com o que diz o Código de Trânsito Brasileiro não existe uma idade limítrofe para que deixemos de dirigir.

Apenas o prazo para a renovação da Carteira Nacional de Habilitação é que muda quando se completa 65 anos. Ele deixa de ocorrer a cada cinco anos, passando a ser exigido de três em três anos.

Ainda assim, cabe ao perito médico definir o melhor intervalo de tempo para essa renovação. Até porque, dependendo do caso o prazo exigido pode ser menor.

E outra, não dá para generalizar, cada organismo é um organismo. Por isso, cabe também ao idoso ter bom senso e fazer um auto julgamento para avaliar as reais condições para continuar dirigindo.

Condições físicas e emocionais são fundamentais

Dirigir para muitos é uma questão de independência e liberdade. Porém, é preciso lembrar que a direção veicular não é um processo tão simples quanto parece. Em especial, à medida que os anos passam e as fragilidades típicas da idade vão aparecendo.

Para que esse movimento aconteça com segurança são exigidas três funções básicas: cognitiva, motora e a sensório perceptiva.

Neste cenário, a função sensório perceptiva é responsável pelos estímulos visuais e auditivos, que permite as pessoas observarem as imagens e os sons à sua volta.

Já a função cognitiva processa esses estímulos, exigindo raciocínio e respostas imediatas para que uma ação possa ser realizada com eficácia.

Por fim, temos a função motora, que é responsável por nos dar a liberdade de movimentos para executar os comandos, como o pisar no freio ou desviar de um buraco, por exemplo.

São essas capacidades que devem ser analisadas, procurando sempre equilibrar a segurança no trânsito com a autonomia do idoso.

Para além da idade, outros pontos merecem atenção

Além de certificar que as habilidades físicas e emocionais relacionadas à idade estejam em dia, outras questões merecem atenção. E isso vale não apenas para os idosos na direção, como também para qualquer pessoa.

No caso do motorista ser portador de alguma doença crônica, por exemplo, a orientação para alguns casos é que a renovação da CNH seja feita a cada seis meses. Portanto, é preciso ficar atento à legislação!

O mesmo vale para o uso de medicamentos. Dependendo da substância, as condições normais de direção podem ser afetadas. Assim, esse fármaco passa a impedir a pessoa de assumir a direção.

Boas práticas garantem a segurança dos idosos na direção

Mesmo com todas as dificuldades decorrentes da idade um idoso não precisa se aposentar da direção. Muito pelo contrário, a prática, desde que tomados os devidos cuidados, é bastante recomendada.

Dirigir é também uma necessidade para o idoso. É estimulante, torna-o mais integrado com a sociedade e motivado para a vida.

E o melhor nisso tudo: práticas simples são capazes de garantir todos esses benefícios. E ainda, manter os idosos na direção com segurança por muitos anos.

Fazer exames periódicos, praticar exercícios físicos, reduzir a velocidade, optar por modelos com direção hidráulica e câmbio automático são opções bastante válidas e saudáveis.

Esperamos que a nossa reflexão sobre idosos na direção tenha ajudado você a esclarecer suas dúvidas sobre o assunto. Agora, que tal dividir a sua opinião sobre essa questão? Participe, deixando o seu ponto de vista nos comentários abaixo.  

5 Comentários

  1. Irineu

    O importante estar com os seus exames de sanidade em dia, todos têm o direito de conduzir seu veículo e a sua vida, estando com suas em dia.

    Responder
  2. Wanderlan Batista de Souza

    No mundo em que vivemos,onde o stress nasce de vários fatores,seja ela conjugal,econômico, religioso,ou até mesmo política, é muito importante definir a aposentadoria da carteira de motorista definindo uma idade,visto que evitaria muitos acontecimentos devido a falta de reflexo, habilidade numa pessoa de muita idade. O ideal no máximo 80 anos.

    Responder
    • Icetran

      Wanderlan,

      De fato, o avanço da idade pode nos reduzir fatores importantes para a segurança no trânsito, como o reflexo. Nossa legislação, em princípio, vincula a habilitação em termos de tempo ao exame de saúde do condutor / candidato.

      Responder
  3. Mario

    Fiz na Marinha ( CIAW) Higiene e primeiros socorros e acho que para certas categorias, D e *E* tem de ser até 70 anos. São categorias que requerem muito dos condutores..

    Responder
    • Icetran

      Mário,
      Como o tempo de validade do nosso documento de habilitação está vinculado ao exame de saúde, as normativas do Contran apresentam restrição no tempo para renovação a partir de determinada idade, seguindo o já previsto no Código de Trânsito. Porém, independente da idade, pode este tempo tradicional ser reduzido por decisão dos avaliadores no exame de saúde.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *