Dicas para andar de bicicleta com segurança

por | fev 19, 2020 | Ciclista | 4 Comentários

andar de bicicleta

Nós sabemos que você já está bem crescido e sabe andar de bicicleta, e que sabe tomar os cuidados necessários para não se machucar. Mas não é disso que estamos falando. Nesse artigo traremos algumas informações que talvez você não conheça, e que são imprescindíveis para sua segurança.

Cada vez mais pessoas estão aderindo ao pedal como alternativa de locomoção, pelas mais diversas razões. Mas seja lá qual for a motivação, os cuidados ao andar de bicicleta devem ser sempre os mesmos.

O estresse de andar de carro ou de ônibus, com todos os problemas que estes meios de transporte trazem, com certeza são os maiores fatores que influenciam o aumento do número de ciclistas. Junto dele, o fator financeiro também colabora para a mudança de estilo de vida. A economia é grande.

Se dispor a ir ao trabalho pedalando vai exigir atenção redobrada, para que você chegue em segurança ao seu destino. Mas tomados estes cuidados, a sensação de liberdade proporcionada pelo ar puro e a endorfina será recompensadora. Sem falar nos ganhos para sua saúde.

Para não precisar mais abrir mão de tantas vantagens, leia nossas dicas com atenção e sinta-se seguro para continuar pedalando!

Itens de segurança para andar de bicicleta

Andar de bicicleta com segurança, estando atento à sinalização e seguindo todas as recomendações que você verá adiante, já é o suficiente.

Mas o uso de itens de segurança também ajuda bastante. Um bom capacete pode protegê-lo em caso de quedas causadas por pequenos acidentes. Entretanto, ele não será muito útil se você fizer manobras arriscadas ou abusar da velocidade.

Aliás, ao contrário do que muita gente pensa, o uso do capacete não é obrigatório para ciclistas. Apesar de ser recomendado para quem ainda não tem muita experiência, seu uso pode ser dispensado se você já tem habilidade sobre duas rodas.

Mas tenha em mente que se optar pelo uso, ele não irá prevenir acidentes. Isso é bem óbvio, mas às vezes o efeito psicológico de usar um simples capacete faz com que alguns ciclistas se sintam invencíveis.

Outros itens, como luvas, óculos, cotoveleiras, joelheiras também não são imprescindíveis, mas convém usá-los, mais do que o capacete. Principalmente luvs e óculos.

As luvas previnem irritação na pele devido ao atrito com a manopla, além de proteger a área do corpo que tem mais chances de ser lesionada em caso de queda (as mão vão sempre ao chão por reflexo). No frio, o uso de luvas é praticamente indispensável.

Já os óculos protegem contra poeira e insetos que podem entrar no olho e comprometer a sua visão, podendo causar graves acidentes dependendo de onde você estiver.

Andar de bicicleta encarando o trânsito

Agora é a hora da verdade. Você e sua bicicleta em meio ao caos urbano. Uma larga avenida com carros em alta velocidade, ônibus, caminhões, motocicletas e pedestres. O que fazer?

No começo você vai ficar um pouco assustado. Mas não há outra coisa a ser feita: apenas pedale!

Só que você pode evitar situações como estas planejando antecipadamente o seu trajeto. Procure por alternativas como vias vicinais e avenidas com ciclovias.

Se isso não for possível, “treine” nas ruas em que terá que passar num domingo de manhã, para conhecer o percurso e avaliar melhor seu trajeto ao longo da via.

Se você realmente tiver que encarar o tráfego pesado, ocupe a faixa como se fosse um veículo, colocando-se mais ao centro. Isso evitará que carros o ultrapassem o tempo todo.

E lembre-se também de evitar passar muito perto de carros estacionados. Os motoristas podem não enxergar ciclistas pelo retrovisor, abrindo a porta bem na hora que você estiver se aproximando. Aliás, isso ocorre com bastante frequência.

Sinais, fortes sinais

Ser visto pelos motoristas já é meio caminho pedalado para sua segurança!

Para que eles possam prever sua trajetória, não tem outro jeito: você deve sempre fazer sinais com a mão. Crie este hábito.

Ao pedir passagem, dar passagem, virar à esquerda ou à direita ou qualquer outra mudança no seu percurso, sinalize com as mãos.

Em geral, o braço estendido ou em 90 graus, dependendo da intenção, agitando ligeiramente a mão, é o mais correto a se fazer.

E sempre verifique se os motoristas estão agindo conforme os seus sinais.

Outro tipo de sinais que garantem sua segurança são os luminosos. As luzes da bicicleta a tornam mais visível e ampliam o tempo de reação dos motoristas. À noite elas são ainda mais importantes.

A lei obriga apenas o uso de refletivos, mas o ideal é usar uma luz branca na frente e uma vermelha atrás.

Não reme contra a maré

Provavelmente sua mãe sempre recomendou que você andasse na contramão com sua bicicleta, para poder ver os carros. Hoje não é o que se recomenda fazer.

Há pelo menos dois bons motivos para não andar na contramão com sua bicicleta.

A primeira é que o impacto será muito maior se você colidir com um veículo que vem em sentido contrário.

Isso acontece porque em um acidente deste tipo a velocidade da batida é igual à soma das duas velocidades. Se você estiver em uma via rápida a 25km/h e o carro a 75km/h, por exemplo, a velocidade do impacto será de 100km/h.

Se ambos estiverem no mesmo sentido, a velocidade da colisão será igual à diferença das duas velocidades. Neste caso, 50km/h. Ou seja, o estrago seria muito menor…

A segunda é que as chances de acidente envolvendo pedestres serão maiores, pois eles geralmente olham apenas para o lado de onde vêm os carros.

Um carro entrando em uma rua ou saindo de uma garagem agirão da mesma forma. O fato é que ninguém espera por algo vindo pela contramão.

Por isso, siga o fluxo!

Cada macaco no seu galho

Calçada é para pedestres! Faixa exclusiva para ônibus… Bom, isso você já sabe. Mas existem situações que não dependem da sua responsabilidade.

É comum, por exemplo, encontrar pedestres nas ciclovias, caminhando ou correndo. A primeira recomendação é: não fique irritado.

Os corredores preferem se exercitar nas ciclovias pelo mesmo motivo que os ciclistas: não é seguro andar em alta velocidade pelas calçadas, colocando em risco outros pedestres.

Além disso, eles têm um motivo a mais para evitar as calçadas: em geral elas estão em péssimo estado de conservação, ou com muitas irregularidades, como buracos, degraus e desnivelamentos, aumentando as chances de lesão.

Por isso, seja compreensivo ao andar de bicicleta e se deparar com uma situação dessas. Seja um corredor, um cadeirante, uma pessoa com carrinho de bebê ou simplesmente um pedestre, peça licença e ultrapasse devagar. Não faça com eles o que você não quer que os motoristas façam com você!

E você que é, ao mesmo tempo, pedestre, ciclista e motorista, já tem três boas razões para continuar navegando pelo blog do maior portal de educação a distância para o trânsito do Brasil! Sinta-se à vontade para voltar sempre que quiser, e compartilhar as informações que achar importantes!

4 Comentários

  1. Márcia Maria da Silva

    Excelente informações. Já faço no meu pedal.
    Obrigada.

    Responder
    • Icetran

      Ótimo Márcia, Parabéns por seguir as regras de segurança com sua bike.

      Responder
  2. José Teixeira

    Parabéns pelo blog nunca é de mais alertar os menos atentos

    Responder
    • Icetran

      José,
      Obrigado pela apoio, e parabéns por contribuir com a segurança no trânsito.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *