Histeria no trânsito em tempos de Coronavírus

por | mar 18, 2020 | Educação para o trânsito, Trânsito | 0 Comentários

coronavirus

Em tempos de coronavírus, o ideal é que tenhamos serenidade. Medidas de cautela vêm sendo tomadas tanto no âmbito municipal, quanto estadual e federal. No trânsito, deve prevalecer a prudência, a cordialidade e, claro, o respeito à legislação

O mundo observa, apreensivo, as notícias que chegam – com cada vez mais velocidade – acerca da pandemia de coronavírus (Covid-19).

Enquanto isso, cada um tenta se proteger como pode.

Uns vão aos supermercados para “garantir” o abastecimento pelo máximo de tempo possível – embora isso não seja recomendado.

Outros tentam resolver questões burocráticas, rotineiras, nos poucos locais que, ainda, podem abrir.

Um cenário como esse é “ideal” para que aquele motorista espertinho tente burlar esta ou aquela norma de trânsito.

Mas será que esse é o melhor caminho?

Hedonismo e narcisismo: chaves para entender a questão

Muita gente que infringe normas de trânsito aposta na impunidade. 

Mas não é somente isso. 

Normalmente, esse tipo de comportamento reflete uma cultura hedonista, narcisista. É o egoísmo nosso de cada dia prevalecendo sobre o bem comum, a coletividade. 

Em um cenário onde o hedonismo e o narcisismo predominam, simplesmente temos dificuldade em nos colocar no lugar do outro. 

Minhas demandas são as mais importantes. Meus problemas são os mais urgentes. Minhas vontades precisam ser rapidamente saciadas. Enfim, tudo gira em torno do EU

Logo, não há nenhum problema parar em andar pelo acostamento ou buzinar na frente de um hospital, afinal, a urgência que eu tenho em resolver um problema é, e sempre será, maior do que a sua urgência. 

Se eu preciso ir ao supermercado, não estou nem aí se as vagas prioritárias precisam ser respeitadas. A única coisa que importa é que eu irei parar onde eu achar que devo parar. 

E ponto final. Meu mundo, minhas regras. 

Eis a receita do caos.

Tudo tem um jeitinho

Parar em fila dupla, por exemplo, costuma ser justificada assim: “Não quero prejudicar ninguém, só parei ali assim porque ia ser bem rápido.” Tudo tem um jeitinho!

Não usar o cinto de segurança só porque vai a uma mercearia próxima de casa também é outra justificativa bem comum. Mas, cá pra nós, isso não faz sentido, pois boa parte dos acidentes ocorrem perto de casa.

No fim das contas, toda infração tem aquela “justificativa” marota que, pra ser bem franco, não legitima o ato em si. 

Falta coletividade

Mas um fato não pode ser contestado: se todos priorizarem suas demandas em detrimento dos outros, não conseguiremos construir uma sociedade minimamente organizada. 

E isso se refletirá em situações de crise que afetarão todas as esferas da nossa vida, incluindo o trânsito.

Desenvolver um comportamento mais preocupado com o próximo, o coletivo, pode ser o pontapé inicial da mudança.

O que fazer agora?

O ideal é que todos mantenham a calma.

Supermercados, farmácias, postos de combustível e outros serviços essenciais permanecerão funcionando.

Portanto, a primeira regra agora é: vá sem pressa. O mundo não vai acabar.

Que tal aproveitar o tempo que eventualmente terá livre, em casa, para consumir materiais educativos, realmente relevantes? 

Educar é um passo muito importante para que, em tempos de crise, não pioremos ainda mais os cenários. 

Dicas

Devemos seguir fazendo o que é certo. Convença-se de que parar em fila dupla, ultrapassar em local proibido, estacionar fora da vaga apropriada, entre tantos outros atos, nunca devem ser uma opção. 

Por isso, uma dica importante está na gestão do tempo. Que tal sair mais cedo de casa? 

Ao estacionar, caso você seja mais jovem, saudável, será que não seria gentil parar nas vagas mais distantes, deixando aquelas mais próximas à porta para quem tem prioridades ou urgências reais? 

Programe-se para ficar menos tempo na rua. Não queira resolver tudo “da noite pro dia”, e aceite que alguns compromissos precisarão ser adiados.

Empatia

Outro ponto é: amplie sua capacidade de empatia – colocar-se no lugar do outro, ver o mundo por uma perspectiva mais ampla, responsável e comprometida com o coletivo. 

Finalmente, antes de pensar em infringir qualquer norma, pense em como essa sua atitude pode prejudicar o trânsito de uma maneira geral, podendo causar acidentes graves, e até mortes. 

Será que suas prioridades são realmente sempre as mais importantes? 

Tão verdadeiro quanto o adágio “gentileza gera gentileza”, ensinado pelo ilustre José Datrino, é o fato de que ações empáticas, visando o bem-estar do próximo, podem fazer do seu mundo um lugar melhor.

E em tempos de Covid-19, empatia pode ser fundamental na forma como sairemos da crise

App Coronavírus

O Ministério da Saúde criou um aplicativo bem funcional com notícias e orientações sobre o coronavírus

O App está disponível para download em aparelhos Android e Iphone (IOS), e traz dicas, informações para viajantes, pré-diagnóstico, etc.

Outro ponto bem legal é que, no aplicativo, você pode responder “como está seu estado de saúde” atual e, dependendo das respostas, ele indica se é necessário buscar ajuda médica.

Baixe, divulgue, mas não use se estiver dirigindo!