Tem um táxi te esperando! Como ser taxista e se destacar dos concorrentes

por | set 18, 2019 | Taxi | 2 Comentários

como ser taxista

A profissão de taxista é a única que está cem por cento amparada pela legislação para o transporte público individual. O público já se deu conta disso e confia cada vez mais neste serviço. Saiba como tirar proveito da situação.

Foi muito rápido. Em menos de 5 anos a promessa de alguns aplicativos de revolucionar o transporte frustrou muita gente. Agora os usuários estão novamente de olho nos táxis e, com isso, muitos motoristas querem investir em sua profissionalização. É o seu caso? Então aprenda com a gente como ser taxista!

Por trás da facilidade proporcionada pelos aplicativos de motoristas particulares está a falta de regulamentação que está deixando os usuários com um pé atrás.

Não é raro, por exemplo, que formem-se filas nos aeroportos com carros do “mercado paralelo”. Como não há controle, é como se o passageiro estivesse entrando no carro de um desconhecido.

Mesmo quando o motorista trabalha de acordo com as regras da empresa, são cada vez mais frequentes os relatos de assédio, mau atendimento e abusos. E as empresas pouco ou nada fazem para resolver estes problemas. Nas redes sociais, este é um assunto muito comentado.

Por isso, cada vez mais pessoas buscam a segurança daquela plaquinha luminosa com a inscrição TAXI, pois querem contar com um transporte de confiança. Tanto que a demanda por novos taxistas está crescendo, e você pode dar uma carona para essa oportunidade.

Como se tornar um taxista

A Lei nº 12.468, de 26 de agosto de 2011 regulamenta a profissão de taxista. Segundo o artigo 20, “É atividade privativa dos profissionais taxistas a utilização de veículo automotor, próprio ou de terceiros, para o transporte público individual remunerado de passageiros, cuja capacidade será de, no máximo, 7 (sete) passageiros.”

A legislação também define o que é necessário para você se tornar um taxista. Tome nota!

  • habilitação na categoria B, C, D ou E;
  • curso de relações humanas, direção defensiva, primeiros socorros, mecânica e elétrica básica de veículos;
  • veículo com as características exigidas em sua cidade;
  • certificação específica para exercer a profissão;
  • inscrição no INSS.

Você sabia? O uso do taxímetro é obrigatório somente em municípios com mais de 50 mil habitantes.

Além disso, a lei promulgada em 2012 também cita obrigações que tornaram o taxista moderno bem diferente do estereótipo do taxista antigo, como atender ao cliente com presteza e polidez, trajar-se adequadamente e manter o veículo em boas condições de higiene e funcionamento.

Os diferentes tipos de taxistas

  • Taxista de frota – indicado para iniciantes. Você paga um valor mensal para dirigir para um grupo ou cooperativa. É como se fosse um aluguel do alvará, que poupa você de toda a burocracia.
  • Coproprietário – nível intermediário. Taxista auxiliar que divide a licença com um proprietário, tendo a possibilidade de dividir o trabalho em turnos (pode-se perder o direito a alguns descontos).
  • Autônomo – apenas para os mais experientes! O taxista é proprietário do carro e do alvará. E, como empresário, precisa fazer todos os investimentos e arcar com toda a burocracia. Mas também irá colher todos os frutos deste esforço.

Por que vale a pena investir em taxi

Por mais que a concorrência seja sempre bem-vinda, passou a fase do deslumbramento, e o público volta a perceber a importância da regulamentação.

O número cada vez maior de pessoas que esperam ser conduzidas com segurança e por um profissional responsável já seria motivo suficiente para você já ir pensando como ser taxista.

Mas há muitas outras vantagens para quem investe nessa profissão. Segundo uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), 52,1% dos taxistas melhoraram financeiramente depois que colocaram seu carro à disposição na praça.

Quer ainda mais motivos? Confira!

Descontos

Quem trabalha como taxista tem desconto na compra do carro (que pode chegar até 30%) e juros mais baixos no financiamento. Em alguns estados também há isenção de IPVA.

Dependendo da cidade onde irá trabalhar, o taxista pode ter isenção ou desconto em outras taxas.

Independência

Um motorista de aplicativo tem parte da tarifa cobrada do passageiro descontada pela empresa contratante.

Um taxista tem lucro independente, ou seja, tudo o que ele arrecada diariamente pertence somente a ele, sem descontos ou comissões por corrida.

Ponto fixo

A princípio pode parecer desvantagem o fato de um taxista precisar comprar uma vaga fixa. Mas ao conquistar um ponto na praça, o profissional adquire um patrimônio.

Ao longo do tempo o ponto se valoriza, e o proprietário pode cobrar um bom preço por ele depois de alguns anos, se assim desejar.

Horários

Poucas profissões têm um horário tão flexível quanto a de taxista. Urgências, prioridades ou imprevistos não são problemas para o motorista de táxi.

Você pode inclusive trabalhar como taxista como complemento de renda para outro emprego.

Na pesquisa da CNT que citamos ali em cima, 62,3% dos taxistas consideram que o ponto positivo da profissão é poder definir o próprio horário de trabalho.

Como ser taxista nos dias de hoje

Os serviços de táxi se modernizaram para se adequar à nova realidade.

Em muitas cidades os motoristas estão fazendo parcerias e passando por capacitação para usar aplicativos semelhantes aos que se popularizaram recentemente, mas com a vantagem de não terem tarifas variáveis de acordo com a demanda (somente bandeiras 1 e 2).

Um destes aplicativos é o Unitaxi, disponível para iPhone e Android. Ele é usado em cidades como Florianópolis, Blumenau, São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Porto Alegre.

No mercado de taxis, o dinheiro das corridas e impostos ficam na sua cidade e ajudam a movimentar a economia local.

O usuário já descobriu que com seu celular é possível chamar o táxi, acompanhar a trajetória do carro, ter uma estimativa do tempo que vai levar para chegar e saber o preço da corrida.

Os taxistas também estão se adaptando bem à nova realidade, oferecendo diferentes formas de pagamento, como cartões de crédito ou débito. Além disso, todos passam por treinamentos e são inspecionados regularmente para atender às expectativas do público.

É necessário profissionalizar

O público, nunca é demais repetir, está muito exigente quanto aos serviços que procura. Claro que ele também quer um transporte de qualidade, que garanta uma melhor mobilidade urbana.

E como ser taxista em meio a essa realidade? A resposta já veio. Os taxistas estão acompanhando bem as mudanças.

Não estamos mais no século XX. Dirigir com segurança, garantir um bom atendimento e sentir se o passageiro prefere uma boa conversa ou ficar em silêncio já não são mais diferenciais, são obrigações.

Mas temos que continuar nos aprimorando, nos capacitando e qualificando constantemente nesta profissão digna e que recompensa quem desempenha bem seu papel.

É hora de cessar os conflitos e trabalhar pela melhoria da qualidade dos serviços ofertados à população.

Profissionalize-se, e boa corrida!

curso para taxista

2 Comentários

  1. Erivam

    Consesteza não dá para trabalha sem aplicativo

    Responder
    • Icetran

      Erivam,
      Os aplicativos tem se tornado uma realidade e, quase necessidade, para muitos motoristas. Lembrando sempre de cuidar da segurança na direção, jamais manusear o celular durante as corridas.

      Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *